EGI @ EU | EGI @ LIP | INGRID | IBERGRID | Contactos





No âmbito da Iniciativa Nacional Grid of LIP coordena a operação da infra-estrutura de computação grid Portuguesa integrada no European Grid Initiative (EGI).

O que é o European Grid Initiative (EGI)?

Na Europa o desenvolvimento da computação grid teve um forte impulso com a criação do projecto Enabling Grids for E-science (EGEE). Entre 2004 e 2010 os projectos EGEE-I, EGEE-II e EGEE-III operaram uma infraestrutura internacional de computação grid que suportou aplicações e comunidades de investigadores em múltiplos domínios científicos. O EGEE demonstrou a importância da computação grid enquanto ferramenta para cálculo científico. Actualmente diversas comunidades de investigadores e projectos científicos dependem deste tipo de computação distribuída, pelo que tornou-se necessário garantir a sustentabilidade da computação grid na Europa.

O European Grid Initiative (EGI) é uma organização Europeia baseada na Holanda e que tem por objectivo operar uma infraestrutura de computação grid sustentável. O modelo económico do EGI baseia-se na contribuição dos países membros através das Iniciativas Nacionais Grid, à qual se junta a contribuição da União Europeia através de projectos específicos. A estrutura organizacional possui dois níveis: um nível de coordenação internacional constituído pelo EGI, e um nível de coordenação nacional constituído pelas Iniciativas Nacionais Grid (NGI). Em cada país membro a Iniciativa Nacional Grid opera uma infraestrutura de computação local que é integrada com as suas congéneres através do EGI.

Com o fim do projecto EGEE-III em Abril de 2010, o EGI assumiu o controlo da infraestrutura de computação grid Europeia que tinha sido estabelecida pelo EGEE, assegurando uma transição suave para o novo modelo de operação assente nas Iniciativas Nacionais Grid.

A missão do EGI

O European Grid Initiative (EGI) é uma organização que tem por missão coordenar uma infraestrutura de computação grid pan-Europeia em colaboração com as Iniciativas Nacionais Grid dos países membros. Desta forma pretende-se assegurar a sustentabilidade e disponibilidade da computação grid para as comunidades de utilizadores Europeias e seus colaboradores internacionais. Os principais objectivos do EGI são:

O que é o projecto EGI-Inspire?

O projecto EGI-Inspire (Integrated Sustainable pan-European Infrastructure for Researchers in Europe), implementa as tarefas de coordenação necessárias ao estabelecimento e operação da infraestrutura pan-Europeia assente nas Iniciativas Nacionais Grid. O EGI-Inspire é coordenado pelo European Grid Initiative. O projecto teve início em Maio de 2010 e tem uma duração prevista de 4 anos sendo financiado pelas Iniciativas Nacionais Grid e pela União Europeia. O projecto tem como ponto de partida a migração da infraestrutura criada pelo EGEE (Enabling Grids for E-sciencE) para o novo modelo baseado em Iniciativas Nacionais Grid sustentadas pelos governos Europeus. A operação das infraestruturas nacionais é exclusivamente suportada através de meios nacionais.

O que é uma Iniciativa Nacional Grid?

As Iniciativas Nacionais Grid são responsáveis pela política de desenvolvimento, e pela coordenação das infraestruturas de computação grid e e-Ciência. Legalmente são constituídas por organizações, projectos ou consórcios mandatados oficialmente pelos governos de cada país. A participação no EGI requer que cada país membro possua uma Iniciativa Nacional Grid que actua como representante e ponto de contacto. As Iniciativas Nacionais Grid operam infraestruturas de computação cujo objectivo é satisfazer as necessidades de cálculo científico dos investigadores locais. Algumas Iniciativas Nacionais Grid juntaram esforços com outras congéneres criando infraestruturas regionais transfronteiriças. Portugal e Espanha partilham recursos computacionais através de uma infraestrutura comum denominada IBERGRID. A infraestrutura grid pan-Europeia coordenada pelo EGI junta os recursos das Iniciativas Nacionais Grid para benefício de comunidades de investigadores internacionais.

Qual é a estrutura em Portugal?

A Iniciativa Nacional Grid Portuguesa é coordenada pela Agência para a Sociedade do Conhecimento (UMIC). No âmbito da Iniciativa Nacional Grid o LIP desempenha as tarefas técnicas de operação e coordenação da infraestrutura nacional, e a sua integração com infraestruturas congéneres. Neste sentido as Iniciativas Nacionais Grid Portuguesa e Espanhola uniram esforços, e estabeleceram uma parceria para a operação de uma infraestrutura Ibérica comum no contexto da iniciativa IBERGRID. É através desta parceria que é efectuada a integração e operação conjunta dos recursos Portugueses e Espanhóis no EGI. A infraestrutura IBERGRID encontra-se completamente integrada no EGI.

Quais os domínios científicos que podem beneficiar?

Todos os domínios científicos podem beneficiar. As infraestruturas do EGI e das Iniciativas Nacionais Grid encontram-se abertas aos utilizadores de todos os domínios científicos. A infraestrutura Europeia suporta mais de 200 comunidades de utilizadores.

Em termos geográficos as Iniciativas Nacionais Grid apoiam às comunidades de utilizadores locais, enquanto o EGI está vocacionado para as comunidades internacionais compostas por investigadores de diversos países.

Como posso saber mais sobre a infraestrutura nacional?

Para mais informações consultar: http://wiki.ncg.ingrid.pt

Quem fornece os recursos computacionais?

A organização dos recursos e utilizadores baseia-se no conceito de organizações virtuais (VOs). As VOs são compostas por subconjuntos de utilizadores e recursos computacionais (CPU, armazenamento, etc) constituindo-se como comunidades virtuais. Os membros destas VOs possuem normalmente características comuns, tais como trabalhar na mesma área de investigação ou possuir objectivos ou interesses semelhantes. São estas características comuns que constituem a motivação para a partilha dos recursos. Os investigadores que desejem utilizar os recursos computacionais da Iniciativa Nacional Grid, IBERGRID ou EGI são encaminhados para uma VO de acordo com as suas características. Os utilizadores podem então usar os recursos da VO devendo no entanto contribuir também com recursos próprios para aumentar a sua capacidade. A maior parte dos recursos computacionais devem ser disponibilizados pelos utilizadores. A infraestrutura disponibiliza sobretudo os serviços centrais que permitem a integração dos recursos, a sua gestão, o suporte aos utilizadores, e a sua formação. O EGI permite assim a construção de organizações virtuais para projectos de investigação internacionais e para grupos internacionais de investigadores que pretendam partilhar os seus recursos de modo a atingir objectivos comuns.

Que middleware é usado no EGI?

Na sua fase inicial o EGI usa o middleware gLite. O EGI não desenvolve middleware e assume-se como um consumir das melhores soluções tecnologias disponíveis. Neste sentido o EGI pretende cooperar com os criadores de middleware e integrar componentes de diversas origens incluindo-os numa distribuição denominada Unified Middleware Distribution (UMD). O UMD deverá incluir componentes de diversas origens tais como o gLite, ARC, UNICORE e Globus. O EGI também pretende oferecer soluções inovadoras, pelo que o UMD irá provavelmente incluir suporte para cloud computing e outras tecnologias emergentes.

O EGEE desenvolveu o middleware gLite que inclui componentes desenvolvidos noutros projectos tais como Globus, VDT, LCG, EDG, etc. O gLite integra um conjunto de componentes concebidos para permitir a construção de aplicações com elevados requisitos de cálculo e processamento de dados. O gLite é desenvolvido e mantido pelo consorcio gLite estas actividades são suportadas pelo European Middleware Initiative (EMI). O EMI é uma iniciativa independente do EGI.

Qual é a dimensão da infraestrutura EGI?

A infraestrutura está a crescer continuamente. Em Setembro de 2010 o EGI era composto por mais de 150,000 núcleos de processamento (CPU CORES), e 28 Petabytes de armazenamento online.

O que foi o EGEE?

O EGEE (Enabling Grids for E-sciencE) foi um projecto co-financiado pela União Europeia no contexto do sexto programa quadro para a investigação e desenvolvimento tecnológico. O projecto teve por objectivo disponibilizar uma infraestrutura internacional de cálculo científico baseada em tecnologias grid, obedecendo a elevados padrões de qualidade e disponibilidade. A infraestrutura proporcionou a investigadores académicos e industriais meios que permitiam a resolução de problemas complexos com elevados requisitos computacionais. O projecto contou com mais de 90 parceiros em 32 países organizados em federações. O EGEE-I teve início em 2004 tendo sido seguido pelos projectos EGEE-II em 2006 e EGEE-III em 2008. O projecto EGEE-III terminou em Abril de 2010. O EGEE demonstrou o potencial e a importância da computação grid como ferramenta para cálculo científico. No âmbito do EGEE foi estabelecido um Centro Regional de Operações (ROC) para a federação do Sudoeste Europeu constituída por Portugal e Espanha. Este centro coordenava as actividades do EGEE e os fornecedores de recursos computacionais na península Ibérica. Com o fim do EGEE esta coordenação passou a ser efectuada no contexto da Iniciativa Ibérica de computação grid (IBERGRID), que junta as Iniciativas Nacionais Grid de Portugal e Espanha.

Qual a relação da física de altas energias com a computação grid?

O CERN opera o Large Hadron Collider (LHC), o maior acelerador de partículas jamais construído. As experiências que decorrem no LHC produzem gigantescas quantidades de dados que têm de ser processadas, armazenadas e analisadas. As experiências do LHC são grandes colaborações internacionais com milhares de investigadores de centenas de laboratórios. Estes investigadores e os seus recursos computacionais encontram-se dispersos por todo o mundo. A computação grid foi o paradigma escolhido para integrar os recursos computacionais do LHC de modo a permitir a sua utilização combinada, e assim satisfazer as necessidades de armazenamento e processamento das experiências que aí se realizam.

O CERN e a comunidade da física de partículas trabalharam no desenvolvimento das tecnologias de computação grid. Neste contexto o CERN criou o Worldwide LHC Computing Grid (WLCG) com o objectivo de implementar uma grid para o processamento dos dados produzidos pelo LHC. O WLCG é uma colaboração de centros de computaçõo e infraestruturas de computação grid tais como o EGI na Europa e o OSG nos Estados Unidos. O CERN também coordenou o projecto EGEE, contribuindo de forma significativa para o desenvolvimento e expansão da computação grid na Europa.

O CERN é hoje sobretudo um grande utilizador da computação grid através do WLCG, sendo que a coordenação da grid Europeia está a cargo de uma organização independente criada para o efeito o European Grid Initiative (EGI).